segunda-feira, 31 de outubro de 2016

ABSTENÇÃO, BRANCOS E NULOS VENCEM EM BH: 43,14%



Agora é ver como o próximo prefeito, Alexandre Kalil (PHS - à esq), vai se relacionar com isso e com os 28,91% (do total de eleitores) obtidos por João Leite (PSDB) , soma que atinge 72,05% dos eleitores da capital mineira. Para todos a insatisfação popular está explícita nos números, e não só em Belo Horizonte. Kalil obteve 32,58% dos votos do eleitorado total.

De qualquer forma, desejar o desastre de qualquer administração é desejar o desastre da população. Por isso, tudo tem sempre que ser feito na perspectiva dos interesses populares, da inclusão social, do respeito às diferenças, do incentivo à solidariedade e ao cuidado com as questões ambientais e muito mais.

O governador Fernando Pimentel (PT) não deu o ar da graça. Mas acompanhou tudo, e muito de perto, a julgar pela informação postada no perfil do jornalista Orion Teixeira no Facebook, no domingo após o término da votação. (imagem abaixo) Nela se afirma que Pimentel reunia-se quase diariamente com o candidato do PHS, no Palácio da Liberdade.

O voto dos petistas foi fundamental para a vitória de Kalil, apesar do partido não ter oficialmente apoiado sua campanha e do candidato haver rejeitado apoio do PT no processo eleitoral. O vice de Kalil, o deputado estadual Paulo Lamac (Rede), petista até poucos meses atrás, vai indicar nomes, é claro. E inegável que o PT vai participar, com peso, da administração.


No ano 2000, o médico Célio de Castro se reelegeu prefeito tendo Fernando Pimentel como vice, disputando contra João Leite que saia em sua primeira tentativa para o executivo da capital mineira, numa disputa acirrada. Edição do jornal Mosaico circulou amplamente em Belo Horizonte pouco antes do segundo turno e favoreceu fortemente a campanha do "Doutor BH", como Célio se tornou conhecido. Saiba por que lendo o PDF abaixo.

De resto, administradores públicos são políticos como qualquer pessoa é, que foram eleitos para administrar o bem coletivo. Com participação popular, é o melhor. No mais, viva eu, viva tu, viva o rabo do tatu.



terça-feira, 25 de outubro de 2016

A POLÍTICA COMO ELA É




Na imagem duas situações inteiramente distintas, que provocaram consequências eleitorais também inteiramente distintas. À direita, reunião do deputado estadual petista mineiro Durval Ângelo com funcionários dos Correios, pouco antes do primeiro turno das eleições presidenciais de 2014. À esquerda, foto do lendário líder de vilas e favelas Vicentão (Vicente Gonçalves) contando com texto extraído do blog luizdomosaico.blogspot.com, usados em panfleto eleitoral da campanha de Dilma e  Temer distribuídos no país no segundo turno.

A reunião com o deputado petista, hoje líder do governo mineiro na Assembleia Legislativa, foi intensamente usada eleitoralmente contra a campanha de Dilma e Temer e fartamente divulgada pela mídia nacional, devido a colocações feitas por ele no evento: “Se, hoje, nós temos a capilaridade da campanha do Pimentel e da Dilma em toda Minas Gerais, isso é graças a essa equipe dos Correios.”

Disse mais: “A Dilma tinha em Minas Gerais, em alguns momentos, menos de 30%. Se, hoje, nós estamos com 40% em Minas Gerais, tem dedo forte dos petistas dos correios. Então, queremos que você leve a direção nacional do PT, que eu também faço parte do diretório, mas também a direção nacional da campanha da Dilma, a grande contribuição que os correios estão fazendo.” (Assista ao vídeo AQUI e leia matérias da mídia AQUI e AQUI

No panfleto eleitoral com Vicentão foi usado post do blog luizdomosaico.blogspot.com em que o líder popular declarou seu apoio a campanha de Dilma, numa situação eleitoral normal, como outras pessoas deram apoio a campanha de Aécio.

O post do blog contém algumas informações sobre sua portentosa e fascinante vida. Uma vida de muitas lutas e de amparo aos destituídos e necessitados. Além de muito mais, Vicentão foi preso mais de 40 vezes defendendo as favelas de BH, deu assistência a mais de 300 “filhos adotivos” nas favelas e servia comida a dezenas de famélicos em seu barraco, diariamente, numa época de muita miséria em que não existia ‘Bolsa Família’. Histórias que inclusive Lula e inúmeros outros, não só petistas, conhecem bem. (acesse o post AQUI )

Post do blog
O que não é normal foi a desconsideração de ‘chefes’ e outros da campanha petista em relação a Vicentão, que não pediu, mas não recebeu um mínimo agradecimento por ter dado seu apoio e por esse apoio ter sido usado em um panfleto oficial da campanha, com expressivo peso eleitoral, principalmente em Minas Gerais - estado determinante na vitória da petista -, fato reconhecido inclusive pelo procurador federal Eugenio Aragão, ministro da Justiça do governo Dilma, em conversa com este blogueiro, entre outros.


O governador mineiro Fernando Pimentel, nomeado por Dilma chefe de sua campanha em Minas no segundo turno, poderia ter feito isso, já que acompanhou tudo e conhece bem a história de Vicentão, e não fez, da mesma forma que outros. Tratamento semelhante recebeu este blogueiro, autor da matéria usada. 

Mais que isso, o panfleto não dá crédito ao blog pela matéria, quem leu é levado a pensar naturalmente que foi inteiramente produzido pela campanha de Dilma-Temer. Já a foto, do jornal Brasil de Fato, ligado ao PT, foi publicada com crédito explícito.

Vicentão faleceu recentemente, na simplicidade que o caracterizava e destituído materialmente, como foi sua vida em mais de 70 anos de militância social. Enquanto isso, uns e outros...

O panfleto eleitoral da campanha presidencial petista

Post do blog, segunda parte

Post do blog, final